logo-fiat-620x260

GRUPO FIAT PROMOVE REORGANIZAÇÃO APÓS COMPRA DO GRUPO CHRYSLER

[Institucional]

29/01/2014

Nesta quarta-feira (29/01), o Conselho de Administração da Fiat  SpA  aprovou a reorganização corporativa e a formação da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) como uma empresa automotiva global totalmente integrada. Após a aquisição pela Fiat das ações remanescentes da Chrysler Group, que antes pertenciam ao fundo VEBA Trust, o Conselho de Administração da Fiat reavaliou alternativas para uma melhor e mais apropriada estrutura de governança corporativa.

Para poder fazer frente aos principais grupos globais automotivos, tanto em escala  quanto acesso  ao mercado de capitais, o Conselho decidiu pela consolidação da  Fiat Chrysler Automobiles N.V., estabelecida na Holanda, como a matriz do Grupo. As ações ordinárias da FCA serão listadas em Nova York e Milão.

"Um novo capítulo da nossa história se inicia com a criação da Fiat Chrysler Automobiles. Esta jornada começou há uma década, enquanto a Fiat  buscava garantir  o seu lugar em um mercado cada vez mais complexo, e avanço com a união de duas organizações, cada uma com uma grande história na indústria automobilística e  atuações geográficas distintas e complementares. A FCA nos permite enfrentar o futuro com um renovado sentido de propósito e vigor ", disse John Elkann, presidente da Fiat.

Sergio Marchionne, CEO da Fiat e presidente e CEO do Grupo Chrysler, disse: “Hoje é um dos dias mais importantes em minha carreira na Fiat e Chrysler. Cinco anos atrás, começamos a cultivar uma visão que foi além da cooperação industrial e que incluía a integração cultural total em todos os níveis. Trabalhamos de forma tenaz e com um mesmo espírito, para transformar diferenças em forças e quebrar barreiras de resistências nacionalistas e culturais. Hoje podemos dizer que conseguimos criar fundações sólidas para uma empresa global, com um misto de experiência e know-how, no mesmo nível dos nossos principais concorrentes. Uma estrutura internacional de governança e de abertura de capital completará esta visão e vai melhorar o acesso do grupo aos mercados globais, trazendo benefícios financeiros óbvios”.

Segundo a proposta aprovada pelo Conselho da Fiat, os acionistas da Fiat receberão uma ação ordinária da FCA para cada ação da Fiat que detém. E as ações ordinárias da FCA serão listadas na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), com oferta adicional na Bolsa de Milão. O domicílio fiscal da FCA será o Reino Unido, mas isso não deverá afetar os impostos a pagar pelas empresas do Grupo nas jurisdições em que suas atividades são realizadas. A FCA adotará mecanismos de valorização do acionista, a fim de desenvolver  uma base sólida e estável de investidores, que recompensará a participação acionária de longo prazo, permitindo uma ampla flexibilidade ao Grupo para buscar oportunidades estratégicas.

A transação proposta está sujeita à aprovação de sua documentação final pelo Conselho de Administração da Fiat e seus acionistas. A listagem na Bolsa de Milão está prevista para após a abertura de capital na NYSE. A conclusão dessa transação está prevista para até o final do ano.

As decisões de hoje, e a jurisdição da matriz em particular, estão baseadas nas necessidades e oportunidades decorrentes da criação de um grande grupo automobilístico global através da união de Fiat e Chrysler.

A organização atual com base em quatro regiões operacionais continuará sendo fundamental para as estruturas operacional e gerencial do novo Grupo. Todas as atividades da FCA continuarão com a mesma missão, incluindo as fábricas na Itália e nos outros lugares ao redor do globo, sem impacto no quadro de funcionários.

O grupo apresentará um plano de negócios de longo prazo para a comunidade financeira no início de maio de 2014.

Grupo Chrysler anuncia refinanciamento de operações

O Grupo Chrysler anunciou nesta quarta-feira (29/01) que deve ofertar US$ 2,7 bilhões para a securitização do valor principal de dívidas. O Grupo também planeja  uma captação adicional de US$ 2 bilhões (*)  em empréstimos de médio prazo. O Grupo pretende utilizar estes instrumentos financeiros, paralelamente com empréstimos garantidos,  para o pagamento de títulos emitidos  em 10 de junho de 2009 ao fundo VEBA Trust. Os títulos serão ofertados em uma colocação privada sob a Regra 144A e do Regulamento S do Securities Act  de 1933 (Securities Act) referentes à legislação americana. Os títulos de dívida não serão e não foram registradas sob o Securities Act ou as leis de títulos de qualquer outra jurisdição, e não podem ser oferecidas ou vendidas nos Estados Unidos sem registro ou isenção aplicável dos requisitos de registro do Securities Act e aplicável registro de  leis estaduais.