logo-fiat-620x260

RECEITA DA FCA CRESCE 14% NO TERCEIRO TRIMESTRE

[Institucional]

29/10/2014

Receita da FCA no terceiro trimestre cresce 14%, para 23,6 bilhões de euros, e o EBIT sobe 7%, para 0,9 bilhão de euros. O endividamento industrial líquido está em 11,4 bilhões de euros, refletindo a sazonalidade e a liquidez estável em 21,7 bilhões de euros. As previsões para o ano completo estão confirmadas

As vendas globais totalizaram 1,1 milhão de unidades no período, com um incremento de 10% puxado por fortes vendas na região do NAFTA. Com receitas de 23,6 bilhões de euros, o EBIT alcançou 926 milhões de euros, com crescimento de 7% ou 10% considerando a taxa constante de câmbio (CER) com melhora em todos os segmentos exceto América Latina, onde as fracas condições de mercado persistem.

O lucro líquido foi de 188 milhões de euros, em linha com o terceiro trimestre de 2013. O endividamento industrial líquido cresceu 1,7 bilhões de euros no trimestre, devido à sazonalidade habitual e em linha com a mudança no terceiro trimestre de 2013.

“Os resultados obtidos pelo Grupo no terceiro trimestre demonstram a sólida performance frente às desafiadoras condições de mercado, particularmente na América Latina”, disse o CEO da FCA, Sergio Marchionne. “E nós estamos no caminho para alcançar nossos objetivos para o ano completo de 2014. Com a criação formal da FCA e sua estreia na NYSE, nós embarcamos em uma nova fase como uma companhia global com possibilidades cada vez maiores.”

A receita aumentou em 2,9 bilhões de euros na comparação com o ano anterior, para 23,6 bilhões de euros, puxada principalmente por NAFTA (+20%), APAC (+30%) e Marcas de Luxo (+35%), com incremento também em EMEA (+6%) e Componentes (+11%). Esses aumentos compensaram a redução de 12% na América Latina, onde as vendas de veículos diminuíram 14% em decorrência da retração nos principais mercados da região.

O EBIT totalizou 926 milhões de euros no trimestre, um crescimento de 7% (+10% CER) em relação aos 862 milhões de euros do terceiro trimestre de 2013. Excluindo itens extraordinários, o EBIT aumento 99 milhões de euros baseado na forte performance de APAC e Marcas de Luxo. EMEA diminuiu as perdas de EBIT em 46%, beneficiando-se principalmente de um melhor mix de produtos. Para o NAFTA, o EBIT subiu 13 milhões de euros, apesar do impacto de maiores custos de garantia e recall. Para LATAM, houve um decréscimo de 118 milhões de euros refletindo volumes mais baixos, 15 milhões de euros em maiores gastos extraordinários e 14 milhões de euros em custos iniciais para a fábrica de Pernambuco.

As despesas financeiras líquidas somaram 511 milhões de euros, 18 milhões acima do terceiro trimestre de 2013. Excluindo o impacto das trocas de ativos relacionadas às opções de ações da Fiat, que expiraram no quarto trimestre de 2013 (ganho de 24 milhões no terceiro trimestre de 2013), as despesas financeiras líquidas estavam substancialmente em linha com o ano anterior, refletindo os benefícios das transações de refinanciamento da Chrysler completadas em fevereiro, que compensaram o impacto de níveis mais altos de endividamento.
O lucro líquido para o trimestre foi de 188 milhões de euros, em linha com o terceiro trimestre de 2013. O lucro atribuído aos sócios da controladora foi de 174 milhões de euros, comparados com o prejuízo de 15 milhões de euros no terceiro quarto de 2013.

O endividamento industrial líquido em 30 de setembro de 2014 era de 11,4 bilhões de euros, maior que os 9,7 bilhões de euros em 30 de junho de 2014. O aumento de 1,7 bilhão de euros reflete principalmente a absorção sazonal de caixa. Investimentos em ativos tangíveis e intangíveis cresceram 2,1 bilhões de euros, em linha com a previsão para o ano completo, frente a 1,8 bilhão de euros no terceiro trimestre de 2013.

A liquidez total disponível foi de 21,7 bilhões de euros, em linha com 30 de junho de 2014. Durante o trimestre, a absorção de caixa operacional e o novo pagamento de bonds no vencimento (2,1 bilhões de euros) foram compensados por novas emissões de bonds (1,6 bilhão de euros) e financiamento bancário, bem como um efeito benéfico de conversão de câmbio de 0,9 bilhão de euros. 

Previsões para 2014

O Grupo confirma as previsões para o ano completo, conforme apresentadas nos resultados do segundo trimestre de 2014:

- Vendas globais de 4,7 milhões de unidades;
- Receitas iguais ou maiores que 93 bilhões de euros;
- EBIT entre 3,6 e 4 bilhões de euros;
- Resultado líquido entre 600 e 800 milhões de euros, com os ganhos por ação melhorando de aproximadamente 0,10 euro (excluindo itens extraordinários) para aproximadamente 0,44 a 0,60 euro. Inclui imposto diferido no valor de aproximadamente 500 milhões de euros devido a reconhecimento dos ativos de imposto diferido no fim de 2013 relativo a Chrysler e exclui itens extraordinários;
- Endividamento industrial líquido entre 9,8 e 10,3 bilhões de euros. Inclui fluxo de caixa para 21 de janeiro de 2014, fechamento da compra dos 41,5% de ações minoritárias restantes do Chrysler Group LLC da VEBA Trust (2,7 bilhões de euros), adicionalmente ao impacto da adoção retroativa da adoção do IFRS 11, efetiva em 1º de janeiro de 2014 (aproximadamente 400 milhões de euros).